"Há muitas ligações entre sexo e comida"

Posted on 6/03/2015 by UNITED PHOTO PRESS MAGAZINE

Ljubomir Stanisic, chef do "100 maneiras"
Tal como na cama, também à mesa o tato faz parte da experiência de uma refeição. Ljubomir Stanisic, chef do "100 maneiras", não hesita em dizer que dá um estalo a quem comer um croquete com talheres.

Qual é a variável mais determinante para que uma refeição se torne inesquecível?

São milhares os fatores que entram em jogo. O principal, antes de todos os outros, é a companhia. A pessoa que está contigo à mesa é determinante para que uma refeição fique na memória. Mas claro que também podes estar sozinho e estar muito bem acompanhado com comida e com bebida. Uma refeição verdadeiramente inesquecível mexe com os nossos cinco sentidos.

Cozinhar mexe sempre com as emoções?

Mexe, claro que sim. Eu, por exemplo, uso bastante a cozinha como terapia. Hoje estava todo lixado com dores de coluna e às sete da manhã vim sozinho para o restaurante para cozinhar. Para estar a curtir o momento. Cozinhar mexe comigo. Pus a minha música, liguei o fogão todo e vim curtir.

Mas o trabalho diário numa cozinha...

Não é emocionante e levas muita porrada.

E é possível ter prazer?

Claro que sim. Se não tens prazer não estás a fazer nada na cozinha. Esse tipo de pessoas não trabalha comigo. Se não tens prazer torna-se uma coisa rotineira. Deixas de provar os pratos antes de irem para a mesa... Mas isso é assim em quase tudo. No jornalismo, por exemplo, também. Se não tiveres pica naquilo que fazes é a mesma coisa que ires para a cama com a tua mulher e não teres tesão. Nesse caso estás no casamento a fazer o quê? Aí o melhor é divorciares-te.

A cozinha está muito próxima do sexo?

Para mim, está. Há muitas ligações entre o sexo e a comida. Não só porque muitas vezes me enrolo com a minha mulher na cozinha, mas porque acho que de facto uma coisa tem muito que ver com a outra. São coisas emocionais. Os prazeres são muito semelhantes. Eu tenho orgasmos alimentares na boca quando estou a comer uma coisa do outro mundo. Mesmo que não seja uma coisa física, há uma grande ligação mental, emocional e tântrica. Há muitas semelhanças. Há prazeres de toque que tens com um corpo que também tens com a comida. Comer com as mãos e sentir a comida pode ser uma das coisas mais bonitas.